quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

ANP - declaração do presidente

REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU
Assembleia Nacional Popular
Gabinete do Presidente da ANP

Declarações à Imprensa do Presidente da ANP após a sua visita de trabalho à Guiné-Conakry.

Boa noite e muito obrigado senhoras e senhores jornalistas pela vossa presença.

Como sabem desloquei-me, com uma importante delegação da ANP, composta por mim, Califa Seidi, Líder da Bancada Parlamentar do PAIGC, meu Diretor de Gabinete e Conselheiro Político, com único objetivo de ajudar a esclarecer em definitivo a polêmica instalada a volta da existência ou não de um nome consensual, retido em Conacri, no âmbito do Acordo rubricado nessa cidade capital, para o cargo de Primeiro-ministro.

Esta deslocação tem subjacente, reafirmo, na minha qualidade de mais alto dignatário do país que assinou este acordo e por saber que a sua não implementação a contento de todas as partes poderá acarretar mais um bloqueio na ANP, instituição que dirijo, não visa desautorizar ninguém, tão só tentar salvar ainda este acordo que classifico de positivo para a saída definitiva da crise instalada há bastante tempo no país.

O encontro com o Presidente Alpha Condé foi bastante clarividente, que me permite afirmar que se tivermos paciência e vontade política, apesar de cenário atual, podemos encontrar uma solução que permita implementação, com a participação de todos, neste acordo. No entanto, há uma certeza que vos garanto. A CEDEAO ainda não se pronunciou oficialmente sobre o Relatório final do Mediador da crise. O Presidente Alpha Condé fá-lo-á oportunamente, durante a Cimeira dos Chefes de Estado da CEDEAO, a ter lugar em Abuja, no próximo dia 17 de dezembro. Tudo mais será pura especulação.

Por isso, vai a minha mensagem de serenidade e mais uma vez paciência aos guineenses, onde quer que se encontrem. Quero apelar aos políticos para abandonarmos as nossas pretensões pessoais e de grupos e implicarmo-nos no resgate e na implementação, de mãos dadas, deste acordo, para assim, permitir que caminhemos juntos na estabilidade, paz e tranquilidade, pois a Guiné-Bissau vale mais do que todos nós juntos.

Peço imensa desculpa por não poder avançar com mais detalhes relativos a esta nossa consulta feita ao Mediador da CEDEAO para a crise guineense, na medida em que no fórum próprio os resultados das negociações de Conakry serão apresentadas aos Chefes de Estado da CEDEAO, e só depois poderão ser tornados públicos. O que quer dizer que só depois do dia 17 de dezembro, a Cimeira dos Chefes de Estado e de Governo da CEDEAO, a realizar-se em Abuja, tornar-se-á pública a posição expressa pelo mediador no nosso encontro.