segunda-feira, 21 de novembro de 2016

“POVO KANSA”


Este é um slogan da autoria de Sua Excelência Senhor Presidente da República, extraído do seu discurso à nação, a propósito da mudança do Governo de Baciro Djá. Dizia: “A paciência do Presidente da República foi extrema. Mas, hoje temos de dizer aos atores da crise que Povo Kansa”. Concordo, mas era preciso tanto sacrifício para chegar a essa conclusão?
A acreditar em informações veiculadas na imprensa, o Chefe de Estado justificou a sua decisão de demitir Baciro Djá com o respeito pelos preceitos constitucionais que mandam a que o Governo seja demitido caso não possua os dois instrumentos de governação: Plano de Ação e o Orçamento Geral do Estado. O Chefe de Estado terá considerado o Governo de Baciro Djá incapaz de ultrapassar o bloqueio que se assiste no Parlamento (Assembleia Nacional Popular), onde os dois principais partidos, PAIGC e PRS, se disputam e/ou não se entendem, há mais de um ano.
No seu discurso à nação, não se vislumbrou nenhuma mensagem que indicasse existência de divergência (grave crise política) entre o Presidente da República e o Primeiro-ministro. O problema não era o executivo, mas sim o bloqueio parlamentar. É de referir que o bloqueio não permitiu medir o apoio do Governo de Baciro Djá, tendo em conta a nova configuração no parlamento.
A conspiração estava bem montada. É nosso desejo que o novo chefe do executivo, Umaru Sissoko, consiga, de facto, com a sua varinha mágica pacificar o parlamento. De referir também que o discurso de Sua Excelência, em nenhum momento, referiu a inércia provocada, conscientemente, pelo Presidente da ANP, Cipriano Cassamá. Porquê?
Sua Excelência prometeu, solenemente, no seu discurso, viragem política: “Já aceitamos o suficiente viver o tempo da agenda de certos políticos e partidos políticos. 
Hoje, chegou a hora de vivermos o tempo das necessidades do nosso povo. Chegou o tempo das decisões, chegou a hora da mudança, pela dedicação ao trabalho e criação de riqueza e emprego para os nossos filhos. Este é o momento de colocar o país no Rumo certo.”

Um rápido golpe de vista nestas frases, mostra-nos que o texto transmite, antes de mais, desejo de mudança política no nosso país. E, na visão economicista, o fator tempo tem um valor capital. Não é por acaso que a expressão prolifera no texto. O fator Tempo tem também a sua relevância política, militar, etc.. Os economistas sabem e ponderam impactos negativos decorrentes da crise política que assolam o nosso país. Quais os prejuízos económicos e financeiros contabilizados desde a assinatura do Acordo de Conacria, 14 de Setembro a 14 de Novembro de 2016 (data da exoneração do Governo de Baciro Djá)? A nomeação de um novo Primeiro-ministro demorou mais de 72 horas. Com que finalidade?
Não acredito que o Presidente da República não esteja encurralado por interesses instalados. Durante os meses de Setembro-Outubro, o Presidente José Mário Vaz viajou mais de dez vezes para o estrangeiro. Quem custeou essas viagens? Os negócios estrangeiros tomou conhecimento dessas viagens? Quais eram os objetivos de tanta deslocação? O Presidente da República viajou inclusivamente para lugares, politicamente, sinistros, como para o Sudão do Sul, em aviões fretados pelo recém-empossado Primeiro-ministro, Umaru Sissoko. Esse fato é largamente comentado no nosso país.
"POVO KANSA"