segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Partidos Políticos se divergem quanto a nomeação de Umaro Sissoco ao cargo de Primeiro-ministro

Os partidos políticos com e sem assento parlamentar estão divididos quanto a nomeação de Umaro Sissoco ao cargo do Primeiro-ministro.
Em declarações à RDP-África o porta-voz do Partido da Renovação Social (PRS), Victor Pereira aplaude a nomeação do Umaro Sissoco ao cargo do primeiro-ministro, sublinhando que a sua escolha revela o fim da crise política vivido no país nos últimos tempos.
A Presidente do Partido Unido Social Democrata (PUSD), Carmelita Pires acusou o chefe de Estado de ter violado a Constituíção da República com essa nomeação de Sissoco ao cargo do primeiro-ministro para liderar o governo inclusivo resultante do Acordo de Bissau e Conacri.
“Umaro Sissoco não reuniu as condições parar liderar um governo. Ele nunca deu provas do seu empenho na administração pública guineense”, afirmou Carmelita Pires.
Enquanto isso, o líder do partido Movimento Democrático Guineense (MDG) Silvestre Alves exige a devolução do poder ao PAIGC.
Segundo Alves, o partido vencedor das últimas eleições legislativas tem por direito governar na base da vontade do povo.
“Eu não pretendo integrar nenhum governo duvidoso que não vai resolver o problema da crise no país e que por cima tem dias contados”, refere Silvestre Alves.
O líder do partido da Nova Democracia (PND), Iaia Djaló manifestou por seu lado, a disponibilidade total de integrar o governo do Umaro Sissoco caso vir a ser solicitado.
O PAIGC, na voz do seu líder, Domingos Simões pereira já fez saber que não participa no novo governo, posição igual foi assumida pela União para a Mudança,segundo declaracoes do seu líder, Agnelo Regala.