domingo, 20 de novembro de 2016

MACKY E O SEU RAPAZINHO!

11 ANOS DE LUTA ARMADA DE LIBERTAÇÃO NACIONAL SÓ PARA SER TELEGOVERNADO POR SENEGAL E, O CIPRIANO CASSAMÁ PARECE NÃO QUER FICAR DE FORA...
BOM, SE O PAIGC TAMBÉM QUER APANHAR O BARCO, NÓS AQUI SÓ RESTA A DESEJAR-VOS BOA VIAGEM!!!
NO MISTI CUSSAS DI TAFAL TAFAL MA GOSSI NO LÉGITIMAL NAM.
CABRAL NA DA KANGALUTA NA SI COBA BRINCADÉRA KA TÉM!!!
FONTE: LUSA (20-11-2016)
Novo primeiro-ministro da Guiné-Bissau vai falar com todos os partidos.
O novo primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco, disse hoje que vai falar com todos os partidos representados no parlamento para incentivá-los a acabarem com a crise política que assola o país há 15 meses.
Empossado no cargo na sexta-feira pelo Presidente guineense, José Mário Vaz, o novo primeiro-ministro partiu hoje para uma visita de trabalho ao Senegal onde, disse, vai fazer o ponto de situação da política interna ao líder senegalês, Macky Sall.
Naquela que foi a sua primeira declaração pública, feita em crioulo, Umaro Sissoco afirmou que tudo irá fazer "para acabar com as querelas" entre os políticos, a começar pelos cinco partidos representados no Parlamento.
Umaro Sissoco, a quem que não é conhecida nenhuma filiação partidária, prometeu falar com o PAIGC, PRS, PCD, UM e PND, para lhes mostrar que "o país está acima de todos e que é chegada a hora de acabar com as desavenças", disse.
O novo primeiro-ministro destacou ainda que é sua intenção "contar com todos os guineenses, estender a mão a todos" para promover o desenvolvimento de um país que considera "atrasado em todos os domínios".
"Devemos sentir vergonha quando vamos ao Senegal ou a Gâmbia e constatamos que estão a avançar em todos os sentidos: escolas, hospitais, infraestruturas, enquanto aqui não temos nada. Até para um simples tratamento médico temos que ir para Ziguinchor", cidade de Casamansa, sul do Senegal, notou o novo primeiro-ministro guineense.
Umaro Sissoco viajou para o Senegal no mesmo avião com o presidente do Parlamento guineense.
Também em declarações aos jornalistas, Cipriano Cassamá, prometeu "total colaboração" do Parlamento com o novo primeiro-ministro "desde que tenha um programa virado para resolver os problemas do povo", observou.
Cipriano Cassamá anunciou para próxima semana a retoma dos trabalhos do Parlamento - que tem estado bloqueado há mais de seis meses devido às divergências entre os partidos - tendo salientado tratar-se de uma sessão ordinária.