terça-feira, 8 de novembro de 2016

E se os 15, até não são 15, mas sim 12 ou 11

Este país, é aquilo que é até aqui, porque na Guiné-bissau, nunca as pessoas se preocupam em investigar a verdade. Há uma ilusão que Didinho e Doka vendem no mundo fora e que o PAIGC e o seu presidente nunca preocuparam em esclarecer. A questão dos 15 deputados ou tais 15 deputados. Nunca foram 15 deputados. E pela forma como estão as coisas hoje, são no máximo 11.
Manelinho era deputado suplente de Wasna Papai Danfá. Com a queda do Governo de Carlos Correia, o homem recuperou o seu lugar.
Baciro Djá, nunca foi dos 15. Aliás, ele foi o primeiro a ser sancionado antes de existir tais e famosos 15. Quando foi indicado para o cargo de Primeiro-ministro, assumiu o seu lugar um fiel ao partido.
Soares Sambú, sim era 15 e era deputado. Foi para o Governo e o seu lugar foi assumido por um fiel ao partido.
Quando o PAIGC abriu portas para a reconciliação, um deputado que pediu para que o seu nome não fosse revelado apresentou lá.
Sabe-se que ainda há quem deseja, em troca da sua reputação no partido deixar o outro lado e alinhar com as orientações do partido. Feitas as contas são 5 e os 15, ficam, dez.
Mas quando se lê, Didinho e o Doka, quase apanha-se o ataque de nervos nas suas desinformações.
Uma coisa é certa, mesmo se fossem 30, a disciplina partidária é para respeitar e os traidores são para punir.

Odjadur (ex-grupo dos 15)