domingo, 20 de novembro de 2016

Adulay Keita responde a Fernando Casimiro (Didinho): Leiam, não são insultos, mas sim confrontação de ideias


Atenção minha gente do Blog "Guiné Puro". Dizer que "todos têm culpa" é dizer com efeito que, na realidade, "ninguém tem culpa" (cif.,http://guinepuro.blogspot.ch/2016/11/por-didinho-boa-reflexao.html, acessado, 19.11.2016). Isto é uma amálgama de tudo e sem sentido. Ou estamos simplesmente diante de uma “estratégia de dissimulação” objetivamente estabelecida. Visando misturar tudo para que ninguém seja direta e abertamente “tchudido” como o único ou principal culpado.

Seja como for, uma tal amálgama só pode servir para confundir ainda mais a situação já muito confusa à volta do Acordo de Conakry. Uma situação, segundo a mim, criada objetivamente a este fim. Ver no texto em anexo a minha argumentação a este propósito.

Obrigado.
Bom trabalho.
Por um debate democrático sério e honesto.
E que reine o bom senso.
Amizade.
A. Keita  

PS.: Porque não obstante da nomeação do Sô Sissoco, segundo a mim, a última palavra não está ainda pronunciada neste "affaire". Obrigado.

Para se criar a transparência a propósito da decisão tomada na mesa redonda de Conakry à volta dos três nomes propostos pelo Sô Presi Dr. JOMAV, publicar o “RELATÓRIO DO REDATOR DO PROTOCOLO” DO ENCONTRO

Muito bem de ver publicado este doc. na integra e na sua versão original (espero; http://www.odemocratagb.com/documento-completo_acordo-de-conakri-em-tres-linguas/#comments; acessado, 18.11.2016). Mas o problema que se coloca em relação ao aspeto da confusão à volta deste Acordo de Conakry não está aí. O problema está na decisão tomada consensualmente ou não, quando se debateu na mesa redonda daquele encontro as propostas dos nomes de candidatos ao cargo do Primeiro-Ministro.
Porque para todos os bem avisados nos processos de tomada de decisões pela aplicação do PRINCÍPIO DE CONSENSO (em detrimento do princípio de maioria/minoria ou princípio de sorteio), sabe-se o seguinte.
Para o assunto de discordia que assistimos até aqui, um único instrumento deste processo pode trazer um esclarecimento necessário. O RELATÓRIO DO REDATOR DO PROTOCOLO. É neste documento (instrumento) que é anotado uma decisão tomada ou não por consenso (o resultado da discussão), no fim, evidentemente, de cada processo de tomada de decisões por consenso, passando pela aplicação do PRINCÍPIO DE CONSENSO. Aqui se fala, em vez do resultado de votação, do RESULTADO DA DISCUSSÃO.
A não publicação deste documento (O RELATÓRIO DO REDATOR DO PROTOCOLO) pode ser comparado com a não publicação da ata da mesa de uma assembleia de voto ou a ata de um escrutinador (ou de uma comissão eleitoral; expressão mais habitual) após o cumprimento de um ato votivo qualquer (falando nos casos do princípio de maioria/minoria).
Na aplicação do PRINCÍPIO DE CONSENSO não se fala de “quantos votos”. Porque não se vota. Fala-se é do: “QUAL O RESULTADO DA DISCUSSÃO”, segundo a “REGRA DE DISCUSSÃO” pré-combinada. E, o resultado é chamado de “CONSENSO ABSOLUTO, CONSENSO PERFEITO ou CONCORDÂNCIA UNANIME”, quando não há nenhuma opinião contrária, formal e expressamente exprimida (o veto). Ou “CONSENSO SIMPLES ou CONSENTIMENTO UNANIME”, se há opinião contrária, formal e expressamente exprimida, mas sob observação do livre consentimento também (em princípio) exprimido expressamente pelo interveniente em causa, de poder viver (arranjar-se) com a decisão tomada. Caso contrário, não se toma decisão nenhuma.
Segundo a “regra de discussão” pré-combinada em cada caso da aplicação do PRINCÍPIO DE CONSENSO de tomada de decisões, pode haver outras formas de “RESULTADOS DA DISCUSSÃO” (economiza-se a evocação e descrição de tudo aqui).
Para dizer que, o “RESULTADO DA DISCUSSÃO”, segundo a “REGRA DE DISCUSSÃO” pré-determinada em cada caso é anotado pelo “REDATOR DO PROTOCOLO” e sempre anunciado pelo “MEDIADOR” de cada processo. Cada “resultado da discussão” é vinculativo para todos os participantes após o seu anúncio pelo “MEDIADOR”. E não pode ser recusado em caso algum A POSTERIORI.
Quanto ao processo ele mesmo, esse se desenrola em diferentes etapas de ponto de vista de atos concretos a cumprir por cada participante ou grupo de participantes, a saber: CONSULTAÇÃO/AUSCULTAÇÃO, DISCUSSÃO, DECISÃO. Atos de CONSULTAÇÃO/AUSCULTAÇÃO são (ou podem) ser cumpridos antes (também no decorrer, à margem, pode ser) das sessões de discussões. A DECISÃO resulta sempre da DISCUSSÃO.
Enquanto participantes, estes podem ser INDIVIDUAIS ou GRUPOS DE AFINIDADES, relevantes em como decisores nos assuntos em debate. A última categoria corresponde no caso aqui em causa, o “grupo dos 15” + PRS + PND (+ PR JOMAV), constituem um grupo de afinidade, digamos o grupo 1. E o PAIGC + PCD + Um (+ ANP), o outro grupo de afinidade. O grupo 2.
Então sabendo tudo isto, e pensando que deveria ter havido CONSULTAÇÕES/AUSCULTAÇÕES intra “grupos de afinidade” antes de Conakry (e no decorrer), não devia haver nenhuma confusão enquanto o “RESULTADO DA DISCUSSÃO” lá obtido à volta da lista dos três nomes; lista esta apresentada pelo PR JOMAV, via o Moderador S. Exa. Sr. Presidente da República da Guiné, Prof. Dr. Alpha Condé.  
Se os membros do grupo 1 são autores da tal lista, via PR JOMAV, e segundo dizem, que estão de acordo com qualquer um dos três nomes desta sua própria proposta inicial, e o grupo 2 a dizer, que só aceita um dos três nomes; e que em todo, só um dos três nomes é que deve ser nomeado no posto do Primeiro-Ministro; então, o “RESULTADO DA DISCUSSÃO” está claro. É “CONSENSO ABSOLUTO” à volta do nome escolhido pelo grupo 2. Ponto final.
Portanto, trata-se de divulgar este dado, ou um outro. Mas seja como for, se se trabalhou tecnicamente bem e de forma correta em Conakry, então, a verdade está contida no RELATÓRIO DO REDATOR DO PROTOCOLO da mesa redonda. O texto do Acordo foi feito a partir daquele documento. Eis o que deve criar a transparência, a publicação deste documento tal qual, como a decisão fora encontrada à volta do assunto preciso IN CAUSA.
Agora publicar o texto original deste Acordo pensado que está-se a esclarecer a situação de confusão vivida neste momento, é tentativa objetiva de manipulação ou falhas por ignorância destes aspetos técnicos aqui descritos.  
Obrigado.
Boa sorte para todos nós bissau-guineenses (Mulheres e Homens).
Que reine o bom senso.
Amizade.

Adulai Keita