terça-feira, 25 de outubro de 2016

Presidente da Guiné-Bissau pede “moderação e responsabilidade” aos jornalistas

O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, pediu hoje "moderação e responsabilidade" aos jornalistas em prol da liberdade de imprensa e de opinião.
O líder guineense fez o apelo na abertura de um seminário internacional promovido pelo Conselho Nacional de Comunicação Social do país para, entre outros temas, falar da regulação editorial na Internet.
O encontro, que decorre até quinta-feira, junta cerca de 100 pessoas, na maioria jornalistas guineenses e alguns peritos portugueses.
O Presidente da Guiné-Bissau afirmou que é pela total liberdade dos jornalistas, mas desde que haja moderação e responsabilidade, sob pena de se colocar em causa a própria estabilidade social.
"A classe politica, a sociedade civil, mas sobretudo os órgãos de comunicação social devem poder fazer o seu trabalho, de informar e formar a opinião pública, de forma livre, sem serem incomodados", referiu.
José Mário Vaz ressalvou que se as liberdades "não forem exercidas com moderação e responsabilidade, existe o risco de se transformarem em instrumentos de manipulação e de destabilização".
Liberdade sim, mas insulto nunca, defendeu ainda o Presidente guineense.
"O contraditório é saudável na justa medida em que discordar não significa insultar e pôr em causa a dignidade da pessoa com quem não concordamos. A dignidade humana e institucional deve ser respeitada", enfatizou José Mário Vaz.
O Presidente guineense destacou o facto de, durante os dois anos do seu mandato, nenhum jornalista ter sido perseguido a mando do chefe do Estado.
"Desde o início do meu mandato, pautamo-nos sempre por respeitar e fazer respeitar todas as liberdades estabelecidas na nossa Constituição e demais leis da República, tanto assim é que nenhum profissional da comunicação social foi incomodado", nem "espancado ou torturado por causa do exercício da sua profissão", disse Mário Vaz.
A profissão deve ser exercida por "técnicos capacitados e conscientes do poder da comunicação", defendeu ainda José Mário Vaz.
Sobre a importância do encontro, o Presidente guineense disse ser uma oportunidade para a troca de experiencias e estreitar os laços de cooperação entre os profissionais da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).
Lusa

Nota GP: JOMAV por tão burro que és, não consegues separar alho do bugalho. Como és burro como o teu burro pai, nô bai son.