segunda-feira, 24 de outubro de 2016

DIDINHO VIRA A SUA CAMPANHA CONTRA BUBO NA TCHUTO. ELE ACHA QUE BUBO NATCHUTO NÃO DEVIA REGRESSAR A GUINÉ-BISSAU: QUE OS FAMILIARES, AMIGOS E COLEGAS DE BUBO NATCHUTO SE CUIDEM

Está nas redes sociais uma campanha contra o regresso de Bubo Na Tchuto. Quem começou esta campanha é Didinho. É bom tomarem cuidado, porque são pessoas como Didinho é que começam a denegrir imagem das pessoas até estarem a ser alvos de perseguição internacional. A todos aqueles que estão ligados a Bubo Na Tchuto, leiam e tirem as vossas ilações.
Tomem cuidado. na defesa de JOMAV, Didinho é capaz de tudo. E que cada um lembre que ele tem família. Em Portugal sobretudo, onde vive. Se perseguir família de alguém, persigam-no.


TEXTO DE : Fernando Casimiro
Entre nós Guineenses, na verdade, não nos orientamos por princípios e valores.
O que me faz sair em defesa do meu irmão, mesmo quando falo de um irmão biológico, ou de um filho, etc., etc., sabendo que cometeu um crime, que foi detido, ouvido, julgado e condenado, em função de ter confessado o crime que cometeu?
Não será por isso que até hoje não há culpados, julgados e condenados na Guiné-Bissau pela prática de tantos crimes cometidos por uns e outros ao abrigo, à sombra, da representatividade do poder de um Estado onde cada um funciona como Dono?
Bubo Na Tchuto não é nenhuma vítima de nenhuma estratégia de denigração da imagem da Guiné-Bissau, tal como tantos outros.
Cometeu os erros e os crimes que cometeu, por via do seu cargo de Chefe do Estado-Maior da Armada, para satisfação do seu próprio interesse e não, para a satisfação do Interesse Nacional!
Bubo Na Tchuto é o exemplo do que não podemos consentir, no actual contexto de reestruturação e modernização, que se exige às nossas Forças Armadas!
O facto de alguém ter participado na luta armada de libertação nacional, não pode ser factor de encobrimento dos seus crimes cometidos depois da proclamação da independência nacional!
Ou tantos e tantos combatentes da liberdade da pátria que nunca se envolveram em acções criminosas, preferindo manter-se dignos, mesmo face a situações de extrema pobreza em que se encontram, tentando sobreviver e fazer sobreviver suas famílias, não merecem o nosso reconhecimento, estímulo e orgulho, para só serem referenciados, alguns e cada vez menos, quando morrem?
Por se ser filho da Guiné, qualquer guineense criminoso que seja repatriado, deve ter direito a honrarias?
Sinceramente...!
Doa a quem doer, façam o que quiserem, matem quem quiserem, a Guiné-Bissau tem que "ABOLIR" o pacto com a Mentira, com base numa inocência de implicados que de inocentes apenas têm a inocência de uma Justiça institucional inexistente precisamente, por via das confluências dos diversos poderes do Poder do Estado.
A designação de Narco-Estado atribuída à Guiné-Bissau sobretudo entre 2005 e 2009 não tem nada a ver com o facto de a Guiné-Bissau produzir ou não drogas, mas sim, da sua estrutura do Estado ser toda ela promotora do negócio da droga oriunda de outras proveniências, mas facilitadas ao mais alto nível da representatividade do Estado!
Como escrevi uma vez, tenho sérias dificuldades em perceber certos comportamentos de alguns irmãos guineenses!
Positiva e construtivamente.
Didinho 22.10.2016