quarta-feira, 19 de outubro de 2016

COpi Colé: Isto se chama BATOTAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA. Força Aly Silva

Joao Aladje Fadia, antecipou a sua chegada para esta semana, quando só devia regressar na próxima semana. JOMAV está com ele no pensamento para primeiro-ministro (ilegal na nossa Constituição), e estuda a hipótese de nomear o Sissoko ministro dos Negócios Estrangeiros. Nô pintcha pa bingo! Os 'comandos' estão preparados e desta vez nem a comunidade internacional escapará à ira. AAS

PRS e PR JOMAV andam a jigar sujo. De Bissau, o PR ligou aos dirigentes do PRS para não votarem em nenhum nome para que possa escolher "quem ele entender." Resta saber como reagirá a CEDEAO. JOMAV quer que Bissau pegue figo? Seja!!! AAS

DENÚNCIA + ESCÂNDALOS A CAMINHO: "Aly, quando o Abdu Mané era ministro das Pescas, e o Sandji Fati era director da FISCAP, envolveram-se num jogo sujo de compra de vedetas na Itália. Existem documentos que te vou fazer chegar. Muita força e coragem nesta luta desigual contra a impunidade e os ladrões da nossa terra." Leitor identificado

JOMAV vai ser apupado quando chegar à cidade da Praia. AAS

EDUCAÇÃO/ESCÂNDALOS: Venda de bolsas de estudo doados pela China (e sabe-se lá para onde mais...), obras nas casas de Bissau e Lisboa - DEMITAM o ministro da Educação, porque o ministério Público (também cheio de ladrões) NÃO vai fazer nada. Hoje, dois ministros e um secretário de Estado telefonaram-me mostrando a sua PERPLEXIDADE e SOLIDARIZARAM comigo. SANDJI FATI PARA A RUA, não tem condições para continuar no cargo, onde NADA FAZ!!! AAS


LIGUEM AO SANDJI FATI 966065481 E PEÇAM-NO PARA SE DEMITIR.


MINISTRO PISTOLEIRO

Marisa Morais distinguida com prémio humanitário

Antiga ministra cabo-verdiana foi distinguida com o Pan African Humanitarian Award pelo seu trabalho na luta contra as drogas.

Marisa Morais, ex-ministra da Justiça e da Administração Interna de Cabo Verde, foi distinguida com um Pan African Humanitarian Award, prémio que tem por objectivo destacar personalidades na área das práticas humanitárias, no desenvolvimento socioeconómico, na luta contra as drogas, terrorismo e violência contra as mulheres em África.

A cabo-verdiana é distinguida pelos seus 25 anos de experiência profissional. Em comunicado, a a organização refere que, entre 2008 e 2010, enquanto ministra da Justiça, teve um papel relevante no reforço da segurança do arquipélago. E que, desde o início da sua carreira política, Morais traçou como objectivo melhorar a capacidade da polícia, a vigilância das fronteiras e o combate os vários tráficos (droga, armas e pessoas) em Cabo Verde.

A seguir, e durante o seu mandato como ministra da Administração Interna, Cabo Verde recebeu a primeira Conferência Internacional sobre Políticas de Droga nos PALOP, em Janeiro de 2014. Pretendia-se que fosse uma porta aberta ao diálogo sobre o tráfico e o consumo de droga nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa, cada vez mais preocupante, sublinha ainda a organização.

Formada em Direito pela Universidade de Coimbra, a cabo-verdiana trabalha actualmente na Morais & Associates, uma firma de consultadoria que ela própria fundou na Cidade da Praia.

A cerimónia dos Pan African Humanitarian Awards acontece no Dubai, a 12 de Novembro, e vai reunir 26 países africanos e 14 organizações humanitárias de todo o mundo. Público

terça-feira, 18 de outubro de 2016

SANDJI FATI e ABDU MANÉ - DOIS ENERGÚMENOS NA ALTA RODA


Escrevi há um/dois meses que não sabia se tinha mais medo do ministro da Educação ou da educação do ministro. Hoje, posso dizer que o ministro da Educação, além de mal educado, não consegue meter medo a ninguém. E passo a explicar.


AMEAÇAS VELADAS À VIDA DO ANTÓNIO ALY SILVA feitas pelo ministro SANDJI FATI e o absurdo ABDU MANÉ

Ontem, dia 18, o ministro da Educação(?!), SANDJI FATI, bastante combalido com as denúncias do Ditadura e Consenso sobre as obras de remodelação nas suas residências em Bissau e Massamá (Lisboa), e vendas de bolsas de estudo doados pela China, foi ter comigo à rua de Moçambique.

Chegou, saiu do carro, e mal o vi levantei-me. Não me cumprimentou, pelo contrário - esquivou-se. Mas eu segui-o.

E explodiu. “Aly, porque é que estás a atacar-me desta maneira?”, disse.
Calmamente, respondi que não se tratava de um ataque à sua pessoa, mas sim a uma autoridade.

Não contente, e bastante nervoso, disse-me: “Vamos embora daqui, temos que falar pá! E é por causa do teu Pai." - se não fosse, imagino, talvez me tivesse matado ali mesmo...

Respondi que não ia a lado nenhum, pois estava com amigos (quatro ou cinco pessoas assistiram a essa triste cena do ministro incomodado - será atingido?)

Para acalmar as coisas, pedi-lhe o seu número e prometi que ligava hoje para falarmos - mas não telefonei.

HOJE, 19 de outubro.

Por volta das 21 horas, fui mais uma pessoa amiga beber um café ao hotel Ledger. Assim que entramos no hotel pelo bar e atravessamos para o hall de entrada, vejo o ministro SANDJI FATI.

Fez-me um sinal e eu deixei a minha companhia e fui ter com ele. “Fiquei à espera da tua chamada…”

Disse-lhe que não telefonei e expliquei-lhe o motivo. Começou logo a barafustar, a falar alto, a espernear e quando eu levantei a voz e comecei a mandar as minhas caralhadas, indignado, puto da vida…vejo uma sombra através do vidro que separa o bar do hall de entrada.

Era o reforço do ministro - ABDU MANÉ, o energúmeno - o tal PGR de pacotilha que meteu o agora PR JOMAV na cadeia por causa do desvio dos 12 milhões de dólares de Angola. Afinal, seguiram-me até ao hotel. Ma é otchan la também! Um escândalo!!! Perguntei ao ministro porque troyxe "esse bardamerda, se era para me meter medo".

Esse anormal, veio na minha direcção e quase, quase me agrediu, tentou mesmo meter-me aquele dedo porco na minha cara. Mandei-o para a puta que o pariu, chamei-lhe ainda mais nomes e disse-lhe: “Seu filho da puta, metes o agora PR na cadeia e hoje és o seu mais acérrimo defensor? Bandido de merda!, sacana!”.

Disse-lhe ainda que tiveram sorte, pois se eu tivesse a pistola à mão talvez fosse eu a ser preso, mas a Guiné-Bissau ficaria bem melhor sem os dois brutamontes. Depois, ameaçaram-me com TUDO.

O QUE QUER QUE ME ACONTEÇA, É DA VOSSA INTEIRA RESPONSABILIDADE!

Assistiram à cena o director do Hotel Ledger (que, depois, se mostrou bastante desconfortável com a atitude dessa dupla desastrada e pediu-me desculpas), o juiz guineense Emiliano (o que esteve bastantes anos em Timor, evitou-me e a eles dizendo que essa não era maneiras de se resolver os problemas).

O empresário Caramba Turé (CARTUR, bastante compreensível comigo, evitou-me o tempo todo e ficou comigo muito depois desse vergonhoso incidente e não entendeu a atitude…), e um diplomata timorense da Cooperação Timor Leste/Guiné-Bissau. Alguns empregados do hotel ficaram mesmo de queixo caído - para eles o ministro e o seu comparsa desceram a um nível tal que nem se compreende.

Posto isto, convido aqui o ministro SANDJI FATI a DEMITIR-SE e o advogado ABDU MANÉ a cometer SUICÍDIO. Não valem nada, e a partir de hoje serei o vosso pior pesadelo! METAM MEDO ÀS PESSOAS DENTRO DAS VOSSAS CASAS PORQUE NÃO ASSUSTAM O ALY SILVA. AAS